O índice tornozelo-braquial (ITB), é um exame que mostra alta sensibilidade para portadores de insuficiência vascular arterial de membros inferiores, doença ateroesclerótica carotídea, pacientes com quadro de hipertrofia ventricular esquerda com hipertensão, etc.

Métodos de diagnóstico precoce são úteis na detecção do processo ateroesclerótico, sendo o índice tornozelo-braquial um bom instrumento para essa finalidade. O ITB representa a razão entre a pressão arterial sistólica do tornozelo e do braço, é um método simples, não invasivo, de baixo custo e de grande confiabilidade.

O cálculo do ITB é realizado pela relação da maior pressão arterial sistólica da artéria tibial posterior e da artéria dorsal do pé (com obtenção nos dois membros ou em apenas um, dependendo da casualidade) com a maior pressão sistólica das artérias braquiais.

Vários estudos comprovam a eficácia do ITB como ferramenta para diagnóstico de moléstias cardiovasculares em sua fase inicial, oferecendo redução de custos e prevenindo os riscos cardiovasculares e melhorando a qualidade de vida para os pacientes.

Valores de ITB entre 0,91 e 1,30 são considerados normais, e os acima de 1,30 ou abaixo de 0,91 se constituem em fortes prediitores  de doença ateroesclerótica difusa e demonstram a presença de enrijecimento arterial em virtude da calcificação da camada média e, consequentemente, rigidez da parede vascular.

Esse método de diagnóstico apresenta sensibilidade de 95% e especificidade de 100% na detecção precoce de afecções cardiovasculares geradoras de comprometimento no fluxo sanguíneo.Geralmente, essa situação ocorre em indivíduos com alto risco cardiovascular. Tabagismo, dislipidemia, diabetes mellitus, idade avançada e hipertensão arterial    são preditores do desenvolvimento da doença.

Pacientes com valores alterados de ITB deverão ser submetidos a posterior avaliação diagnóstica para doença arterial carotídea e periférica.

O ITB é um exame que não precisa de preparo prévio.