O Cateterismo cardíaco, também conhecido como Cinecoronariografia ou Angiografia Coronária ou Estudo Hemodinâmico. É um exame invasivo que pode ser realizado de forma eletiva, para confirmar a presença de obstruções das artérias coronárias ou avaliar o funcionamento das valvas e do músculo cardíaco, especialmente quando está sendo programada uma intervenção (angioplastia, por exemplo) ou em situações de emergência, para determinar a exata localização da obstrução que está causando o infarto agudo do miocárdio e planejar a melhor estratégia de intervenção.

O cateterismo cardíaco é realizado por meio da inserção de cateteres nos vasos sanguíneos das pernas ou dos braços que são guiados até o coração por um equipamento especial de raios-X. Durante o exame são realizadas injeções de contraste iodado pelo cateter, o que possibilita a visualização das artérias coronárias, das câmaras e valvas cardíacas. Todo o exame envolve a aquisição e geração de imagens que são posteriormente disponibilizadas, em filme e fotos, para o paciente.

Se indica o cateterismo cardíaco, na necessidade de avaliar ou confirmar a presença de doença arterial coronária (DAC), doenças das valvas cardíacas, do músculo cardíaco, dos vasos pulmonares ou da artéria aorta. Para determinar a necessidade de tratamento cirúrgico (angioplastia coronária, cirurgia cardíaca ou correção de cardiopatias congênitas).
Pode ser realizado no paciente hospitalizado ou proveniente da residência.

Como se realiza o preparo para este exame?
No caso de pacientes ambulatoriais, provenientes da residência (que não estão internados), no ato do agendamento do exame serão coletadas informações e fornecidas as instruções necessárias para o preparo.

Se você já tiver apresentado algum tipo de alergia ao ter realizado previamente um exame que utilizou contraste, entre em contato com o médico que solicitou o exame ou com o Setor de Intervenção Cardiovascular para receber as orientações necessárias.

Se estiver em uso de anticoagulantes orais (Marevan, Coumadin ou Marcoumar), ou dos novos anticoagulantes(Rivaroxabana, Apixabana, Dabigatrana)ou de antidiabéticos orais (Metformina – medicamento usado para tratamento de diabetes: Glifage ou Glucoformin) deverá conversar com o médico que solicitou o exame ou com o Setor de Intervenção Cardiovascular, pois há necessidade de suspensão temporária ou ajustes nessas medicações para a realização do exame.

É necessário jejum de pelo menos 4 horas para a realização do procedimento.

É recomendável trazer os exames realizados nos últimos seis meses como, por exemplo: teste de esforço, cintilografia miocárdica, cateterismo ou angioplastia, relatórios de cirurgia cardíaca e resultados de exames laboratoriais.

Para exame em paciente hospitalizado: todas as informações e exames constarão no prontuário médico ou serão fornecidas pelos profissionais do Hospital.
No caso da realização do exame em pacientes ambulatoriais, provenientes de sua residência:
Dirigir-se ao setor de agendamento (central de exames), onde será feito o cadastro. A seguir, será direcionado para o Setor de Cardiologia Intervencionista.
O exame será realizado no Laboratório de Hemodinâmica do Setor de Cardiologia Intervencionista.

Será fornecida uma roupa especial para o paciente. Os pertences poderão ser guardados no armário ou deixados com familiares.
O paciente será conduzido por um profissional do setor à sala de exames, onde permanecerá deitado por aproximadamente 30 minutos.

Será fornecido um Termo de Consentimento que deverá ser assinado pelo paciente ou pelo responsável legal, estabelecendo a conformidade e a autorização para a realização do procedimento.
Antes do exame, profissionais do Laboratório de Hemodinâmica confirmarão o nome do paciente e farão perguntas sobre as medicações em uso (especialmente diuréticos, anticoagulantes, aspirina e metformina), além de doenças prévias e reações alérgicas em exames anteriores.

Uma veia será puncionada no braço do paciente, para a infusão de soro e medicações durante e após o procedimento. Eletrodos (adesivos plásticos) serão colados em seu tórax para a monitorização do ritmo cardíaco durante o procedimento.

Quando da punção da artéria (seja no braço ou na virilha), é instalado um introdutor, por onde o cateter será introduzido.
O paciente poderá ver as imagens do coração na tela de vídeo durante todo o exame, mas deverá permanecer deitado com os braços estendidos nos locais determinados.

Finalizado o procedimento, o médico do paciente e o cardiologista intervencionista decidirão em conjunto a melhor estratégia de tratamento, incluindo a necessidade de se realizar exames diagnósticos invasivos (IVUS, FFR).

Estabelecido o diagnóstico e o grau da obstrução arterial, o médico do paciente e o cardiologista intervencionista poderão decidir por tratamento intervencionista imediato (Angioplastia Coronária) ou programar o tratamento para os dias subsequentes.

No caso do procedimento ser eletivo, o Dr. José Solano , médico cardiologista da Clinicordis, treinado, especificamente em Cardiologia Intervencionista e Hemodinâmica, oferece seus serviços profissionais.

Após o cateterismo cardíaco os cateteres são removidos e o introdutor é retirado por profissionais do Laboratório de Hemodinâmica. Se o procedimento for realizado pela via Femoral é realizada compressão manual de 15 a 20 minutos e logo um curativo compressivo local.

No caso do exame ser realizado pelo braço (Via Radial), será colocada uma pulseira compressiva e será checado periodicamente, para averiguar a presença de sangramento local.

O repouso após o cateterismo será realizado na unidade de recuperação, onde o paciente terá suas frequências cardíaca e respiratória e pressão arterial checadas constantemente por, pelo menos, 2 horas.

O tempo mínimo de repouso absoluto será de 4 a 6 horas. A cabeceira do leito não poderá ser erguida a mais que 30º. Não tente se levantar do leito durante esse período. A administração de soro e líquidos por via oral, após o exame, será realizada para facilitar a retirada do contraste do organismo.

Por ocasião da liberação do paciente para sua residência, será obrigatório o acompanhamento de familiar ou responsável.
A necessidade de novos procedimentos, medicações, dieta e atividades diárias serão discutidas antes da alta hospitalar com o médico do paciente e com o cardiologista intervencionista.

O procedimento, muitas vezes, demora menos de 30 minutos. No entanto, o processo de preparo e repouso deverá ser considerado. Sugerimos que o paciente planeje dispor de 5 a 9 horas do seu dia para a realização do exame.

É natural que, por se tratar de um procedimento invasivo, o cateterismo cardíaco tenha riscos. O risco de complicações graves (infarto, AVC e sangramento no local de punção) é, em geral, muito baixo (menor que 1%). Outras complicações decorrentes do uso do contraste, como alergia e insuficiência renal, também podem ocorrer. Entretanto, todas essas complicações são raras e a intervenção será realizada por uma equipe médica preparada para atender qualquer tipo de complicação.

Caso o Cateterismo cardíaco for marcado o paciente realizará o mesmo no Serviço de Hemodinâmica do Hospital de referência do Dr. José Solano.