Arritmia cardíaca é a sensação de que os batimentos cardíacos parecem mais acelerados do que o normal.
Uma pessoa pode simplesmente sentir um desconforto com seus próprios batimentos ou ter a sensação de falta ou interrupção desses batimentos.

O ritmo cardíaco pode ser normal ou anormal. A arritmia cardíaca pode ser sentida no tórax, garganta ou pescoço.
De modo geral, as arritmias cardíacas não são quadros considerados graves. Entretanto, isso depende de as sensações representarem ou não um ritmo cardíaco anormal (arritmia).

Em condições normais, o coração bate entre 60 e 100 vezes por minuto. Em pessoas que se exercitam rotineiramente ou que recebem medicamentos para diminuir o ritmo cardíaco, a frequência pode cair para 55 batimentos por minuto.
Se sua frequência cardíaca for rápida (mais de 100 batimentos por minuto), essa condição é chamada de taquicardia. A frequência lenta é chamada de Bradicardia
As arritmias cardíacas podem ser causadas por:

  • Anemia
  • Ansiedade, estresse e medo
  • Uso de pílulas para emagrecimento
  • Exercícios
  • Febre
  • Ventilação excessiva
  • Baixos níveis de oxigênio no sangue
  • Doença de válvulas cardíacas incluindo o prolapso da válvula atrioventricular esquerda
  • Tireoide excessivamente ativa.
  • Problema isquêmico do coração, entre outros.

Alguns fatores são considerados de risco para o desenvolvimento de arritmia cardíaca. Eles são: Uso excessivo de cafeína ,  alguns medicamentos, incluindo aqueles para tratamento de doença da tireoide, asma, pressão arterial alta ou problemas cardíacos, uso de cocaína, uso de nicotina (presente principalmente em cigarros).   Os exames diagnósticos mais comuns costumam ser:

  • Eletrocardiograma
  • Monitoramento cardíaco ambulatorial (por exemplo: uso de um monitor Holter durante 24 horas, ou outro tipo de monitor durante duas semanas ou mais)
  • Ecocardiograma
  • Estudo eletrofisiológico (EEF)
  • Angiografia das coronárias.
  • Ventilação excessiva
  • Baixos níveis de oxigênio no sangue
  • Doença de válvulas cardíacas incluindo o prolapso da válvula atrioventricular esquerda
  • Tireoide excessivamente ativa.
  • Problema isquêmico do coração, entre  outros.

Eletrofisiologia cardíaca é a ciência que explica, diagnostica e trata as atividades elétricas do coração. O termo é geralmente utilizado para descrever os estudos desses fenômenos por meio de cateteres invasivos (intracardíaco) que registram a atividade espontânea do órgão, assim como através de respostas cardíacas a estimulações elétricas programadas.

Essas investigações são efetuadas a fim de se observar arritmias complexas, elucidar sintomas, avaliar eletrocardiogramas anormais, estimar o risco de desenvolvimento de arritmias no futuro e desenvolver tratamentos.

Tais procedimentos incluem, cada vez mais, métodos terapêuticos (ablação por radiofrequência ) adicionados às rotinas de diagnóstico e prognóstico. Outras modalidades terapêuticas empregadas nesta área compreendem tratamentos com drogas antiarrítmicas e a implantação de marca-passos e desfibriladores cardioversores implantáveis automáticos.